SE O TEMPO FOSSE OURO..., TALVEZ PUDESSES PERDÊ-LO. - MAS O TEMPO É VIDA, E TU NÃO SABES QUANTA TE RESTA.
Loading...

Pesquisar este blog

sábado, 17 de julho de 2010

SEMINARIO: DRÁCULA E FAUSTO - INDICAÇÃO DE LEITURA





Uma (cons)ciência abalada: Nosferatu como problema epistemológico da medicina
LEIA TODO O ARTIGO NESSE SITE:
http://passapalavra.info/?p=22622



"À ciência como um todo é feita a crítica de que seu atual instrumental não poderia lidar com uma realidade que se mostra muito mais complexa e misteriosa. Nesse sentido, fechar-se nos pressupostos científicos consagrados (isto é, baseados em argumentos de autoridade) significaria obstar qualquer caminho alternativo a um regime de verdade. Todo o desafio de Van Helsing no seu combate ao Drácula, portanto, reside em encontrar caminhos, possivelmente inusitados à lógica científica, que cheguem de forma eficaz à cura, à profilaxia e à própria erradicação da doença. Ao mesmo tempo, porém, é possível entrever aí os limites da crítica feita por parte de Stoker com relação à ciência médica tradicional. Trata-se de uma apreciação negativa não com relação à ciência em si, mas aos desvios daquilo que deveria ser a verdadeira busca da verdade. Dessa forma, o próprio regime de verdade sobrevive às críticas a uma ciência do imanente, aproximando-se do transcendental na medida em que o combate ao Drácula é feito sob o domínio do religioso (com água benta, crucifixos, etc.). Assim, ao autoritarismo cientificista da relação médico-paciente (que conhece momentos críticos, por exemplo, nas campanhas de vacinação), Stoker apenas adiciona um argumento religioso, o qual, ainda assim, aponta para a positividade essencial (com relação à imanência) que conforma a sociedade disciplinarizadora do século XIX. Acrescente-se, finalmente, o fato extremamente sugestivo de que, no combate à ação erótica do Drácula, sejam usados instrumentos ritualísticos da religião/moral cristã. Nesse sentido, tendo em vista o círculo de relações de Stoker, pode-se apontar uma sua maior afinidade, no plano literário, com Conan Doyle, ao passo que tome certa distância da ousadia sexual colocada por Oscar Wilde. Trata-se de uma posição prudente entre o “sir” e o exilado."

Nenhum comentário: