SE O TEMPO FOSSE OURO..., TALVEZ PUDESSES PERDÊ-LO. - MAS O TEMPO É VIDA, E TU NÃO SABES QUANTA TE RESTA.

Barra de vídeo

Loading...

Pesquisar este blog

sábado, 18 de novembro de 2017

TRABALHO FINAL - PRIMEIRO ANO




O REINO DA DINAMARCA  X BRASIL


ENTRE NO GLOBO PLAY
ACESSE  GLOBO REPORTER
DINAMARCA  

17/11/2017


TABALHO MANUSCRITO

VOCÊ DEVE FAZER OS SEGUINTES SUBTÍTULOS E COMENTAR DE ACORDO COM ESSE DOCUMENTÁRIO
CAPA PADRÃO
1- MONARQUIA
2 - DESPERDÍCIO
3- SALÁRIO
4 -  HORAS DE TRABALHO
5- TRABALHO VOLUNTARIO
6 - EDUCAÇÃO
7 - SIMPLICIDADE
8 - QUALIDADE DE VIDA
9- CORRUPÇÃO
10 - COMPARAR COM O BRASIL

DATA DE ENTREGA, DIA 27/11

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

1 ano estudo para o provão



Pensa por ti mesmo ou te dirão o que pensar!





 1) PROVÃO 1 ANOS


Bacon

Descartes

Hume1

Hume 2

racionalismo x empirismo

Kant 1

Kant 2



2) ATIVIDADE 1  TERCEIROS ANOS

LEIA E FAÇA DIGA O QUE VOCÊ ENTENDEU,  NO MÁXIMO 10 LINHAS NO CADERNO

1- O que é aparelhamento das instituições?
2- Por que ele representa MORTE, MISÉRIA, DESEMPREGO, FOME?
Reposta 1:
É o controle de órgãos da Administração Pública (Estado) por pessoas ligadas a interesses corporativos, partidários, revolucionários, ideológicos ou criminosos.
Ele se dá por meio da ocupação de posições estratégicas das instituições do Estado (Congresso, Ministérios, Tribunais, Ministério Público, OAB - não estatal, mas com funções supracorporativas etc), de modo a colocá-las, as instituições, a serviço dos interesses do grupo, do partido ou da engenharia criminosa.
O aparelhamento do Estado é um sintoma de uma Cleptocria.
A cleptocracia se dá quando um país deixa de ser dirigido por um Estado de Direito (que respeita as leis por ele mesmo produzidas) e passa a ser governado pelo poder arbitrário (sem motivação razoável) de pessoas que tomaram o poder político, seja em que nível for.
Cleptocracia significa governo de ladrões.
Esse estado de coisas está caracterizado quando a maior parte de sistema governamental é capturado por pessoas que praticam corrupção político-ideológica, defesa de interesses meramente corporativos ou de lobby, praticando a institucionalização da corrupção financeira ou pura e simplesmente moral.
As ações criminais ou delitivas ficam impunes, imunes às sanções da lei.
Os setores aparelhados permeiam todo o Estado: desde a Justiça, o Executivo e o Legislativo.
O aparelhamento ideológico é o mais perverso: se dá quando uma ideia, discurso ou ação mascara o objetivo de dominação e revela apenas sua aparência externa e retórica (blá blá blá). Pior que uma mentira é uma meia verdade.
Muitas pessoas que servem ao aparelhamento ideológico sequer sabem disso: defendem uma ideia porque a acham justa, certa, equilibrada, equânime, reta.
Não percebem muitas vezes que a sua postura deriva de um acúmulo de aculturamento que foi injetado no seu próprio cérebro e no seu modo de pensar, por revolução silenciosa que aconteceu no Brasil (revolução cultural, com total inversão ou subversão de valores)
Assumindo posições estratégicas no Estado estes agentes recebem boa remuneração e fazem um trabalho que, na sua visão, é "técnico".
Basta lembrar que os agentes nazistas apenas cumpriam a lei e eram burocratas em uma cadeia de comando hierárquico.
A estas pessoas a ciência política dá o nome de "idiota útil".
Além dos idiotas, há os perversos, os ruins, os que querem só ocupar o Poder para seus desígnios pessoas e que têm consciência de tudo o que eu estou falando.
Instrumentalizam as pessoas e seus sonhos por seus projetos de Poder.
Resposta 2:
O aparelhamento do Estado e a cleptocracia são genocidarias (causam mortes em larga escala).
Matam milhares de pessoas todos os dias.
Explico: qual o percentual do seu patrimônio é gasto com tributos?
Não estou falando de imposto de renda! Falo por exemplo da energia elétrica, do combustível, do arroz, feijão (está tudo embutido lá).
A resposta é: muito. Quem paga mais percentualmente falando?
Os mais pobres.
O que significa isso?
Que as pessoas trocam a liberdade delas (mais tempo com os filhos, amigos, viagens, estudo, apreensão da arte, do conhecimento, lazer) por servidão: trabalho para pagar o tributo.
Este sistema não funciona. As empresas vão à falência, o desemprego, insatisfação aumentam e com isso, o desespero.
A elevação da criminalidade é uma consequência natural. Se não há meios de sobreviver dentro das regras do jogo, buscam-se fora: assaltos, sequestros, latrocínio, tráfico de drogas, etc.
Em outras palavras: um Estado grande custa caro e quem paga somos nós. Quando ele está aparelhado, o preço fica ainda maior.
Todo Estado grande tende a ser aparelhado e o círculo vicioso fica cada vez mais intenso.
A rede de proteção de corruptos e corruptores sejam financeiros ou morais se mesclam e fisiologicamente se unem.
As empresas fecham ou deixam de abrir. Somem os empregos e diminui-se a arrecadação de tributos.
Solução? Aumento dos preços, dos tributos e com ele, vai-se a liberdade.
Esse ciclo não para e se retroalimenta. Daí vem a fome, a miséria, a penúria, a morte.
Transcrevo parte da notícia veiculada por Veja, hoje, para que possam tirar suas próprias conclusões:
"Até o momento, os pedidos de liberdade dos empreiteiros investigados na Lava Jato vinham sendo negados pelos ministros do STF, sob a justificativa de que os recursos ainda tinham de passar pela análise das instâncias inferiores, como o Tribunal Regional Federal da 4ª Região e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Contudo, os pedidos levados a julgamento nesta terça já haviam sido julgados e rejeitados pelo TRF e pelo STJ.
Acompanharam o voto do relator os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Já a ministra Cármen Lúcia e o ministro Celso de Mello defenderam que o acusado continuasse preso até o fim dos depoimentos marcados pela Justiça Federal em Curitiba. Para a ministra, o afastamento voluntário do executivo da gestão da empreiteira não é garantia de que Pessoa não voltará a cometer os crimes."
Tudo acaba no Judiciário.
Este Poder é a última palavra na democracia.
Este Poder não pode ser corrompido.
É a sua vida, a sua liberdade e a sua propriedade (qualquer que seja) e a da sua família que está em jogo.
Não deixem isso acontecer. Contem para todos: seus filhos, seus amigos. Precisamos de união agora.
Não vamos fugir desta responsabilidade nem fingir que nada está acontecendo.
Isso não resolve o problema. O piora ou o adia.
Não espere o terror chegar perto de você. Aja!

domingo, 22 de outubro de 2017

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

HISTORIA SEGUNDO ANO - TRABALHO E MATÉRIA DO PROVÃO






1) MATÉRIA DO PROVÃO 
 REFORMA
CONTRA REFORMA
REVOLUÇÃO FRANCESA





2) ASSISTA ESSE VÍDEO E FAÇA  UM RELATÓRIO DE NO MINIMO 5 PAGINAS E 20 QUESTÕES COM PERGUNTAS E RESPOSTAS.

ENTREGAR EM FOLHA DE ALMAÇO
CAPA PADRÃO


Capítulo 2 - A Vila Rica - A Última Cruzada

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

3 ano , trabalho final - para entregar


Como fazer seus trabalhos

TRABALHO FINAL DE FILOSOFIA

Temos que ver agora o lado direito da nossa tabela. Para tanto fala um trabalho em forma de tcc


capa  - Impressa
índice - Impresso
Introdução - Impressa

Capitulo 1 manuscrito
assista o vídeo e faça o relatório do vídeo como o primeiro capítulo
Como é o Pensamento Conservador

Capitulo 2
2.1 faça uma pequena pesquisa  sobre  Burke e use como  capítulo 2.1
2.2 assista o vídeo e faça o relatório do vídeo como o  capítulo 2.2
Edmund Burke

Capitulo 3 manuscrito
3.1 faça uma pequena pesquisa  sobre  Cherterton e use como  capítulo 3.1
3.2  assista o vídeo e faça o relatório do vídeo como o  capítulo 3.2

G.K CHESTERTON 1

G. K. CHESTERTON 2

Capitulo 4 manuscrito
4.1 faça uma pequena pesquisa  sobre  Roger Scruton e use como  capítulo 4.1
4.2  assista o vídeo e faça o relatório do vídeo como o  capítulo 4.2
O que é conservadorismo de Roger Scruton

RESUMO SÓ PARA AJUDAR SEU ESTUDO  ESSE NÃO PRECISA FAZER, SÓ LER

Considerações finais  - Impresso
Referências -  Impresso
= todos os links usados e livros  mencionados


sábado, 7 de outubro de 2017

3 ANO QUARTO BIMESTRE 2017



"Entre os componentes sociais da mudança global, incluem-se os efeitos laborais dalgumas inovações tecnológicas, a exclusão social, a desigualdade no fornecimento e consumo da energia e doutros serviços, a fragmentação social, o aumento da violência e o aparecimento de novas formas de agressividade social, o narcotráfico e o consumo crescente de drogas entre os mais jovens, a perda de identidade. São alguns sinais, entre outros, que mostram como o crescimento nos últimos dois séculos não significou, em todos os seus aspectos, um verdadeiro progresso integral e uma melhoria da qualidade de vida. Alguns destes sinais são ao mesmo tempo sintomas duma verdadeira degradação social, duma silenciosa ruptura dos vínculos de integração e comunhão social." LAUDATO SI










CADA LINK  DE VÍDEO PASSADO EM AULA ESTÁ AQUI. ENTRE ELES  HÁ TEXTOS SOBRE A ARTE QUE PODEM SER DE SEU INTERESSE





CASAMENTO GAY

A ARTE EM HEGEL

1. A obra de arte é um fim em si mesmo, não se prestando a nenhuma finalidade pedagógica ou moral.
2. A verdade que a obra de arte revela apresenta-se à percepção estética como o belo, um objeto que não se apresenta nem para os sentidos, nem para o entendimento, mas para a imaginação, produzindo uma espécie muito peculiar de satisfação imaginativa.
3. A experiência estética é imediata, intuitiva, sendo muito pobre conceitualmente.
4. O belo é a unidade imediata da natureza e do espírito na intuição. A verdade que a arte revela não é cognitiva nem conceitual, mas artística, quer dizer, bela ou ideal.
O fim último da arte consiste em revelar à alma tudo o que ela tem de essencial, de grande, de sublime, de respeitável e de verdadeiro.
A arte cultiva o humano no homem, desperta sentimentos adormecidos e põe o homem em presença dos verdadeiros interesses do espírito.
O artista não tem uma atividade mecânica, nem sua arte é fruto de uma inspiração, mas é o resultado de uma habilidade em expressar o ideal de forma concreta.

O ULTIMO ANACORETA



ARTE - EM JACQUES MARITAIN

Nossa atitude frente às obras de arte depende de nosso gosto natural e de nossa educação artística, mas depende também, e mais fundamentalmente, da própria concepção que temos da arte. Se acreditamos que a arte é um simples exercício de habilidade destinado a agradar, ou a distrair-nos por alguns momentos, ou a apresentar-nos sob uma forma aprazível e fácil uma imagem das idéias que já carregamos em nós mesmos, exigiremos de uma pintura ou de uma sinfonia que nos confirmem nossa própria visão das coisas; é o assunto tratado que nos interessará nelas, e nós exigiremos que esse assunto seja abordado de acordo com o rol de conceitos previamente formados que nos pareçam exprimir a verdade a seu respeito. Julgaremos a obra de arte como um objeto que nos é submisso, e nossa disposição de espírito será, portanto, a medida do juízo. Em semelhante caso, a bem da verdade, não julgamos a obra de arte nós é que somos julgados por ela.
Será completamente diferente se pensarmos que a arte é um esforço criador cuja fonte é espiritual, e que nos entrega a um só tempo o si mais íntimo do artista e as secretas correspondências por ele percebidas nas coisas, por uma visão ou intuição que lhe é própria e que é inexprimível em idéias ou em palavra exprimível somente em uma obra. Então essa obra se nos surgirá como carregada de um duplo mistério o da personalidade do artista e o da realidade que tocou seu coração. E o que nós lhe pediremos será que nos manifeste esse mistério na alegria sempre nova que é produzida pelo contato com a beleza. Julgaremos a obra de arte como o veículo vivo de uma verdade oculta, à qual essa obra e nós mesmos estamos juntamente submetidos, e que é a um só tempo a medida da obra e de nosso espírito. Em semelhante caso haverá um verdadeiro juízo, pois não erigiremos a nós mesmos como juízes, mas procuraremos tornarmo-nos dóceis àquilo que a obra, se ela é boa, nos ensina.

RELIGIÕES

Há quem defenda que a arte tem valor em si. Para esta perspectiva, a única finalidade que o artista deve ter é produzir e criar uma obra genuína e realmente artística. A arte não deve promover princípios éticos e políticos. Deve ser alheia a propósitos pedagógicos e moralizadores. 

ECOLOGIA

Este é o segredo da ação da arte. O processo criativo consiste (até onde nos é dado segui-lo) numa ativação inconsciente do arquétipo e numa elaboração e formalização na obra acabada. De certo modo a formação da imagem primordial é uma transcrição para a linguagem do presente pelo artista, dando a cada um a possibilidade de encontrar o acesso às fontes mais profundas da vida que, de outro modo, lhe seria negado. (JUNG)

ECOLOGIA SOCIAL

Para compreender seu sentido é preciso que ela nos modele do mesmo modo que modelou o poeta. Compreenderemos, então, qual foi a vivência originária deste último. Ele tocou as regiões profundas da alma, salutares e libertadoras, onde o indivíduo não se segregou ainda na solidão da consciência, seguindo um caminho falso e doloroso. Tocou as regiões profundas, onde todos os seres vibram em uníssono e onde, portanto, a sensibilidade e a ação do indivíduo abarcam toda a humanidade.

ECOLOGIA MENTAL
 A CONTRIBUIÇÃO DE PANOFSKY

Nas reflexões de Panofsky sobre a definição da obra de arte encontramos uma de suas contribuições mais significativas. Ele define que mesmo quando a obra de arte não é criada unicamente para ser experimentada esteticamente, mesmo que para ela fora designada uma utilidade, ela tem sempre significação estética (não confundir com valor estético) quer sirva ou não a um fim prático, quer seja boa ou má, o tipo de experiência que ela requer é sempre estética5 . Panofsky esclarece que se pode experimentar esteticamente todo e qualquer objeto, seja ele natural ou feito pelo homem, entretanto, a decisão de experimentá-lo ou não esteticamente, no caso do objeto natural é uma escolha absolutamente pessoal. Já um objeto feito pelo homem, exige ou não ser experimentado deste modo, pois tem o que se chama “intenção”6 . Ele esclarece ainda que o elemento forma está presente em qualquer objeto, sem exceção, de modo que na obra de arte haveria um equilíbrio entre idéia e forma. Uma eloqüência entre esses dois elementos é que revelará de maneira bem sucedida o conteúdo da obra.