SE O TEMPO FOSSE OURO..., TALVEZ PUDESSES PERDÊ-LO. - MAS O TEMPO É VIDA, E TU NÃO SABES QUANTA TE RESTA.

Barra de vídeo

Loading...

Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

SEGUNDO ANO AULA 5 - PERCEPÇÃO E SENSAÇÃO


A SENSAÇÃO E A PERCEPÇÃO.

I. NOÇÃO DE SENSAÇÃO.

1. Definição de sensação. — A sensação pode ser definida como um fenômeno psicológico produzido pela ação de um objeto sobre um órgão sensorial. A sensação é o resultado da transformação no cérebro de uma impressão originada de uma excitação provocada pelos objetos do mundo exterior. A sensação, no estado puro, nos permite apreender qualidades, sensíveis e não coisas propriamente dita. E, como raramente se encontra isolada, a sensação, quase sempre, representa antes o “resultado de uma abstração mental do que o fruto espontâneo de uma experiência psíquica".Deve, por isso, ser considerada como elemento da percepção e como manifestação intuitiva mais simples da consciência.

2. Condições orgânicas e psíquicas. — Para que se realize o fenômeno da sensação são necessárias três condições fundamentais:
a) Excitação — ação de um excitante ou agente provocador sobre o órgão sensorial. Os excitantes podem ser: mecânicos (choques, picadas, etc.), físicos (luz, som, calor, eletricidade) ou químicos (substâncias cáusticas, irritantes, etc).
b) Impressão — modificações orgânicas que se processam nos órgãos sensoriais e que se transmitem por fibras nervosas aos centros cerebrais.
c) Sensação — estado de consciência resultante dos processos anteriores.
A primeira condição é de natureza físico-química. Só podemos explicá-la pela física e pela química. A segunda é de natureza fisiológica. Sua explicação é privativa da biologia. Somente a terceira condição é de natureza psicológi

3. Elementos da sensação. — Toda sensação é integrada pelos seguintes elementos:
a) Um conhecimento — apreensão de uma qualidade sensível (som agudo, cor azul, sabor ácido, etc.);
b) Um estado afetivo — tonalidade agradável ou desagradável ligada a essa apreensão;
c) Uma atividade — movimentos realizados pelos órgãos sensoriais.

4. Classificação das sensações. — A divisão clássica em cinco sentidos corresponde a noções incompletas sobre a natureza e a função dos órgãos sensoriais. Segundo Cuvillier, essa divisão é insuficiente, não só do ponto de vista anatômico como do ponto de vista psicológico. Do ponto de vista anatômico, está estabelecido que o tato pode ser decomposto em 4 ou 5 sentidos elementares, tendo, cada um, seus órgãos receptores distintos. Do mesmo modo, o ouvido compreende dois órgãos sensoriais: o da audição e o do equilíbrio. Do ponto de vista psicológico, para a consciência, uma sensação de frio difere tanto de uma sensação de contato, quanto uma sensação visual difere de uma sensação auditiva.
Na realidade, podemos distinguir dez espécies de sentidos que deverão ser classificados da seguinte maneira: Sensações internas, correspondendo às impressões provenientes do interior do organismo; são as sensações sinestésicas;
a) Sensações motoras, correspondendo às impressões provenientes da atividade do próprio organismo; são as sensações: 1) estáticas ou de equilíbrio; 2) quinésicas ou de movimento;
b) Sensações externas, correspondendo aos receptores que captam as excitações vindas do exterior e dos quais, uns, são impressionáveis por excitantes agindo por contato ou proximidade imediata: 1) sensações táteis; 2) sensações térmicas ou de calor e de frio; 3) sensações álgicas ou de dor; 1) sensações gustativas ou de paladar; e, outros, são impressionáveis por excitantes agindo à distância: 1) sensações olfativas; 2) sensações auditivas; 3) sensações visuais ou óticas.
A cada um desses sentidos corresponde um órgão especial: para as sensações visuais, os olhos; para as sensações auditivas, os ouvidos; para as sensações olfativas, a mucosa nasal; para as sensações gustativas, a língua; para as sensações táteis, térmicas e álgicas, terminações nervosas especiais; para as sensações estáticas ou de equilíbrio, os canais semi-circulares do ouvido interno; para as sensações sinestésicas ou de movimento,os nervos sensitivos dos músculos, das articulações dos membros e das cápsulas membranosas que os revestem. As sensações quinésicas ou de movimento nos informam sobre a posição dos membros e os movimentos que com eles executamos.

5. Caracteres da sensação. — a) Toda sensação transmite um ensinamento do mundo exterior. Estes ensinamentos constituem um fundo original, donde resultam, após uma elaboração todos os nossos conhecimentos.
b) A sensação é distinta da propriedade do objeto que a provoca. Segundo Taine, esta distinção "se faz comodamente, pois a propriedade pertence ao objeto e não a nós, ao passo que a sensação pertence a nós e não ao objeto".
c) A sensação é distinta do processo fisiológico que a condiciona. Todo fenômeno fisiológico se reduz, em última análise, a uma modificação física ou química, enquanto que a sensação, como fato da consciência, é um processo puramente psicológico.
d) A sensação é essencialmente qualitativa. A sensação,sendo um fato da consciência, é um fenômeno qualitativo, susceptível de maior ou menor intensidade, mas que só pode ser observado, diretamente, por aquele no qual se realiza, não podendo, portanto, ser objeto de mensurações quantitativas.
e) Para que haja sensação é necessário que a excitação
possua uma intensidade mínima. A esta intensidade mínima
da excitação capaz de produzir a sensação dá-se o nome de "limiar da intensidade da sensação".
f) A sensação, uma vez produzida, não desaparece logo, persistindo ainda durante algum tempo. Por essa razão, excitações seguidas, sucedendo-se com pequenos intervalos, são sentidas ou percebidas como uma única excitação. É o que acontece com as imagens cinematográficas.

6. Sensação e percepção. — As excitações que impressionam os nossos sentidos podem provocar em nós fenômenos diversos: ou são vagamente sentidas como impressões mais ou menos intensas e mais ou menos agradáveis; ou são, ao mesmo tempo, reconhecidas e interpretadas como sinais de objetos exteriores. À sensação interpretada, desta maneira, chamamos de percepção. A sensação, no primeiro caso, nos dá apenas a noção de uma qualidade ou de um estado (cor verde ou amarela, perfume suave ou intenso, som fraco ou forte), ao passo que, no segundo caso, como percepção, sugere a noção de um objeto determinado (cor de uma laranja, perfume de uma rosa, som de um violino).
A percepção implica a "crença" na realidade exterior e um sentimento de "objetividade". Acompanha-se ainda de um verdadeiro "juízo de exterioridade". Essas reações mentais não resultam, somente, da visão do objeto. Nelas toma parte o cabedal de nossas experiências passadas. A percepção é um fenômeno complexo em que se reúnem, numa síntese, várias operações psicológicas: sensações, memória, associação, comparação, juízo, etc.

II. NATUREZA DA PERCEPÇÃO

7. Estrutura da percepção. — O mecanismo da percepção é objeto de divergência entre os psicólogos. Segundo a psicologia associacionista, a percepção é um conjunto de sensações que a associação une num todo homogêneo e ao qual a atenção confere clareza e nitidez. A sensação, a associação e a atenção representam, de acordo com esse ponto de vista, os elementos fundamentais do processo perceptivo. A Psicologia da Forma ("Gestalt-Psychologie") defende uma concepção diversa. Enquanto a psicologia associacionista considera a percepção como uma simples combinação de sensações elementares, a Psicologia da Forma concebe a percepção como uma síntese, como uma estrutura, como uma forma ("Gestalt"), constituída de elementos sem significação isolada, cujo valor não depende de atributos próprios, mas tão somente de sua posição no conjunto.

8. Caracteres da percepção. — Segundo a Psicologia da Forma, a percepção possui os seguintes caracteres fundamentais:
a) A estrutura da percepção possui uma organização própria. Ela unifica as partes e lhes dá uma significação. Há, assim, uma solidariedade íntima entre as funções exercidas por es elementos.
b) A estrutura da percepção possui um relevo próprio. Nela se revela um fundo sobre o qual se destaca uma figura. A qualquer instante, o fundo pode converter-se em figura.
c) A estrutura da percepção possui uma tendência a encerrar-se em si mesma. Manifesta-se como tendência a absorver os elementos novos que sejam assimiláveis e a repelir os que se mostrem demasiadamente estranhos. Por isso, a parte incorporada a um conjunto perde, quase sempre, a sua individualidade.

9. Erros da percepção. — a) Ilusões — o hábito de perceber as sensações sempre sob certas condições faz com que, todas as vezes que uma delas aparece fora de suas relações normais, a interpretemos erroneamente. Estes erros de percepção constituem as ilusões. As ilusões podem se originar de todos os sentidos, mas não provêm de sensações falsas ou erradas, mas sim de juízos falsos, de interpretações errôneas de sensações. As causas das ilusões são diversas:
1) Certas circunstâncias físicas — o meio que se interpõe, o movimento, a distância (uma bengala mergulhada n’água parece quebrada, uma torre vista ao longe parece quadrada, etc.).
2) Certos estados fisiológicos — o daltonismo impede a visão do vermelho, etc.
3) Certos estados psicológicos — a desatenção, a prevenção, o medo, etc.
4) Certos, estados patológicos — a febre torna os alimentos sem sabor.
b) Sonhos — resultam da atividade do espírito durante o sono. Antes, porém, do adormecer, na fase intermediária entre a vigília e o sono, surge, freqüentemente, em nosso espírito, uma floração contínua de imagens simples, rápidas, despidas de intelectualidade e revestidas de um colorido afetivo, às vezes, muito intenso. Essas imagens são chamadas "hipnagógicas". Quando imersos nesse estado, temos o sentimento confuso do caráter alucinatório dessas imagens, sabemos que sonhamos e que bastaria abrir os olhos para interromper essa seqüência de imagens múltiplas e fugazes.
Se adormecermos completamente, essas imagens dominam e anulam as percepções e caímos, então, em pleno sonho. As imagens assumem, daí por diante, um aspecto francamente alucinatório e tendem a se dramatizar, isto é, a se ordenar sob a forma de um "assunto", muitas vezes, absurdo, estranho, bizarro. Essa dramatização das imagens é o resultado dessa tendência espontânea que possui o espírito para as construções lógicas.
As representações do sonho têm sempre uma relação, direta ou indireta, consciente ou inconsciente, com as experiências passada e, sobretudo, com os fatos ou pensamentos do dia imediatamente anterior. A memória e a imaginação são os fatores dominantes na gênese das representações do sonho, às quais se associam as imagens suscitadas pelas impressões sensoriais que ocorrem durante o sono. As sensações internas ou viscerais têm uma influência manifesta sobre a gênese das emoções oníricas. Daí os pesadelos, sempre de origem sinestésica. A consciência no sonho é a vida psíquica espontânea, elementar. A consciência na vigília é a vida psíquica organizada. Donde a semelhança da consciência onírica com a consciência Infantil.
Se o sonho influi sobre os centros motores do indivíduo, irmos o sonambulismo, em que o sonho se transforma em ação. O caráter alucinatório das imagens é de tal modo imperioso que domina a motricidade, enquanto que as sensações normais se tornam subconscientes. Estas não ficam, entretanto, abolidas: o sonâmbulo é capaz de uma certa adaptação ao meio exterior e pode obedecer a certas sugestões orais. (Piffault)

10. Patologia da percepção. — As alterações patológicas da percepção podem ser de caráter qualitativo ou quantitativo. Vejamos as principais:
a) Hiperpercepção — Aumento de intensidade das percepções, acompanhado, geralmente, de exaltação da atividade psíquica. Em certas neuroses, caracteriza-se por uma capacidade exagerada de ver, ouvir e sentir, provocando, por isso, um estado angustioso no doente.
b) Hipopercepção — Diminuição de intensidade das percepções, acompanhada de enfraquecimento da atividade psíquica. Observa-se nos estados psicastênicos, nas síndromes depressivas, nas esquizofrenias, etc.
c) Micropsia — Os objetos são percebidos com dimensões reduzidas. d)Macropsia — Os objetos são percebidos com dimensões aumentadas.
d) Multipsia — Os objetos são percebidos multiplicados várias vezes.
e) Discromopsia — os objetos são percebidos com cores diferentes das que possuem normalmente.
g) Alucinação — É a percepção sem objeto. O alucinado acredita perceber o que realmente não existe. As alucinações podem se originar de alterações dos órgãos dos sentidos e do sistema nervoso ou de perturbações mentais.
11. Funções da percepção. — A percepção constitui o principal instrumento de aquisição da experiência humana. Por meio das sensações, recolhe do mundo exterior os elementos, que, trabalhados pela inteligência, vão constituir o vasto cabedal dos nossos conhecimentos, a nossa "fortuna psicológica". Daí o velho aforismo: "Nihil est in intellectu quod non antea in sensu fuerit", nada existe na inteligência que antes não haja passado pelos sentidos.
Além de fatores da gênese e enriquecimento da nossa experiência, as percepções, por intermédio das sensações, desempenham ainda o papel de instrumentos de adaptação do nosso psiquismo ao universo e à vida. É assim que as sensações orgânicas mantêm o equilíbrio vital necessário ao funcionamento normal dos nossos órgãos. Do mesmo modo, as sensações visuais, auditivas, tácteis, olfativas, térmicas etc. realizam o ajustamento harmonioso do ser humano ao meio ambiente. Enfim, é através da percepção que se processa a "função do real", considerada por Pierre Janet como o fenômeno psíquico mais alto, mais delicado e mais complexo, graças ao qual o espírito do homem consegue ajustar-se, com precisão, às situações e aspectos cambiantes da realidade.

EXERCÍCIOS.
1. Esclarecer a definição de sensação.
2. Caracterizar as condições psíquicas e orgânicas da sensação.
3. Distinguir os elementos da sensação.
4. Classificar as sensações.
5. Assinalar os caracteres da sensação.
6. Distinguir sensações e percepção.
7. Explicar a natureza da percepção.
8. Esclarecer a origem dos erros da percepção.

Nenhum comentário: